Estado de Goiás

Filmes de professor e de egresso são selecionados para festival internacional  

O IV Fronteira Festival Internacional do Filme Documentário e Experimental selecionou oito longas e 18 curtas-metragens de 20 países para suas duas mostras competitivas, a serem realizadas de 12 a 21 de abril de 2018, no Cinema Lumière do Banana Shopping, no Centro de Goiânia. Realizado pela Barroca Filmes, o festival conta com recursos do Fundo Nacional da Cultura, com a apresentação da Secretaria do Audiovisual do Ministério da Cultura, Fundo de Arte e Cultura do Estado de Goiás, Seduce e Governo de Goiás, e patrocínio da rede Cinemas Lumière.

Dentre os selecionados estão os curta-metragens Wide Awake, dirigido por Rafael Almeida, professor e diretor do câmpus Laranjeiras, e Kris Bronze, dirigido pelo egresso do curso Larry Machado. Os filmes farão parte da sessão Cadmo e o Dragão, mostra fixa dedicada a filmes desobedientes, de temas urgentes e atuais, produzidos em Goiás. “Esta mostra surge como o desenho de uma historiografia possível de um cinema experimental e inventivo produzido em nosso estado ao longo do tempo. Na busca por renovação, revelamos realizadores cujos olhares se destacam pelo frescor e rebeldia”, define Rafael Parrode, programador e um dos diretores artísticos do Fronteira.

Wide awake é construído a partir de materiais de arquivo. Ao se valer da técnica de found footage, que retira esses fragmentos imagético-sonoros de seus lugares de origem e os insere em um novo contexto semântico por meio da montagem, o filme propõe a ressignificação desses materiais. Os arquivos utilizados são provenientes sobretudo de filmes estado-unidenses da década de 1980. Ao revisitar essas imagens e sons a intenção é refletir sobre as imagens televisivas, e a maneira que elas mantém os espectadores em um nível constante de indução, por meio de uma colagem que revele um percurso entre o culto ao corpo, ao sexo, à tecnologia e à violência, com ênfase no universo feminino. 

 

Sinopse: Uma mulher hipnotizada tem um sonho futurista. É um sonho sobre o amor, viagens siderais e um ataque de robôs alienígenas, por meio de imagens de arquivo da televisão do futuro.

 

Kris Bronze foi desenvolvido por Larry como parte de seu trabalho de conclusão de curso. Segundo o diretor, o roteiro começou a ser escrito por ele ainda nos primeiros anos de faculdade, mas de lá pra cá bastante coisa mudou, principalmente por conta do processo escolhido para a realização do filme. A proposta era buscar pessoas que já trabalhavam com depilação ou algum outro serviço em sua própria casa para atuarem no curta-metragem. Grande parte do que o filme é hoje foi moldada com relação ao que a equipe entendeu sobre a Kelly, a dona da casa de bronzeamento, suas clientes e do próprio espaço. Em Kris Bronze a câmera existe numa espécie de observação generosa e respeitosa do universo particular de mulheres empoderadas da periferia.

  

Sinopse: No dia 08 de março Kelly Cristina prepara uma festa só para mulheres.

  

Serviço:

IV Fronteira – Festival Internacional do Filme Documentário e Experimental

12 a 21 de abril de 2018

Lumière Banana | Goiânia, Brasil

Mais infohttp://www.fronteirafestival.com

Facebookhttps://www.facebook.com/fronteirafestival/

 
 
Notícia publicada em 21/03/2018
BR 153 Quadra Área, Km 99, Anápolis-Goiás